O WordPress, apesar de ser um simples CMS, é um sistema robusto que, caso não venha a ser otimizado para operar em servidor compartilhado, pode gerar sobrecarga do mesmo. Segue abaixo alguns fatores que podem contribuir para esta sobrecarga:

  • Cache (arquivos temporários);
  • Exposição de muitas imagens e arquivos (imagens sem otimização ou tratamento adequado);
  • Muitos comentários acumulados;
  • Diversos acessos e solicitações a uma única base de dados (por conta de que os plugins usam o mesmo banco).

Ou seja, com o passar do tempo o WordPress passa a exigir mais do servidor. Aliando estes fatores a um tráfego intenso de visitas e hits diários, o WordPress tende a ultrapassar o 10% de uso dos recursos de um servidor compartilhado e assim levando a uma sobrecarga do mesmo.

A solução é sempre manter o WordPress otimizado, adotando as seguintes medidas:

  • Sempre limpar o banco das postagens e comentários mais antigos para liberar espaço e aliviar o cache;
  • Exposição de muitas imagens e arquivos (imagens sem otimização ou tratamento adequado);
  • As atualizações do WordPress normalmente deixam dados soltos no base de dados, sendo assim necessário sempre fazer uma otimização do banco (pelo PHPMyAdmin na opção “Reparar Tabela”);
  • Verificar se existem links quebrados como imagens faltantes.

Caso seu blog seja muito acessado, não realizar tais medidas regularmente faz com que muitas solicitações sejam feitas ao servidor com erros e conflitos, o que acaba sobrecarregando o servidor compartilhado e prejudicando os demais clientes que utilizam o mesmo ambiente.

Além das medidas listadas acima, lembre-se sempre de seguir as boas práticas de webdesign além de instruir as mesmas para seus clientes. Veja o caso do nosso cliente Adiel, que afirma:

•    “A comunidade WordPress aconselha que as imagens sejam otimizadas pelo usuário no seu computador antes de subir para o servidor. Uma coisa que descobri é que o cliente sempre colocava as imagens no servidor com a mesma resolução da sua máquina de fotografar, ou seja, com 4000 pixels de largura. Dessa forma o WordPress armazena esta imagem do jeito que está além de criar várias outros tamanhos desde miniaturas a tamanhos médios para uso do sistema. O wordpress não faz uma compactação da imagem principal e quando ela é solicitada pelo navegador (quando o internauta clica na miniatura) a imagem deverá carregar os 4000 (x altura) pixels no navegador, e se várias pessoas solicitam a mesma imagem para exibição, acredito que o servidor irá trabalhar mais para isso. Então, mostrei ao cliente como otimizar a imagem usando o Microsoft Office Picture Manager para reduzir o tamanho das imagens antes de subir para o servidor. Para se ter uma idéia, uma imagem com 4000 pixels apresenta quase 5 MB. A mesma imagem otimizada para 800 pixels fica entre 200 e 300 KB, o que agiliza muito a navegação do site além de minimizar qualquer problema de sobrecarga ao servidor quando trabalha-se com muitas imagens em seu blog”

Outra dica de nosso cliente:

•    “Um plugin que identifiquei que estava travado no sistema do WordPress era o “WP Security Scan” que é um plugin bastante recomendado na comunidade, mas, no caso do senoticias.com.br ele travou e causava erros na exibição normal da home. Este plugin é para verificar as possíveis falhas no sistema que possibilitam a invasão de intrusos, ele realmente mexe com configurações no sistema e talvez isso pode ser danoso ao bom funcionamento do site. Assim que desativei o plugin o site começou a ter normalidade. Apenas ressaltando que o WP Security Scan pode ter apresentado problemas devido a quem sabe o seu mal uso,terei que ver com mais cuidado todos os parâmetros necessários para um uso adequado e que não cause problemas. Então, não posso desmerecer o plugins porque simplemente travou no senoticias.com.br, pois o motivo do travamento pode ter sido mal uso de suas funções. Plugins devem ser cuidadosamente analisados antes de serem utilizados.”

Havendo qualquer dúvida, contate-nos através de um chamado em nosso suporte. Acesse: https://www.hostmach.com.br/suporte

Sobre o autor